Precisamos
de ajuda

Caetano Scannavino, Eugenio Scannavino Netto, Maria Teresa Leal, Ivaneide Bandeira Cardozo e Fabio Bibancos, empreendedores sociais, representando aqui todas as lideranças e organizações da sociedade civil que subscrevem este manifesto

Se há uma lição a aprender com a pandemia, é que colapsos só podem ser enfrentados com mobilização coletiva: reunindo cidadãos, organizações sociais, corporações e governos pelo bem comum.

Já deveríamos ter entendido isso, mas, no Brasil, o presidente da República se refere às ONGs como “câncer que não consegue matar”. Não enxerga a diferença que a sociedade civil organizada faz, ainda mais na crise. Não fossem associações de bairros, centrais de favelas, instituições filantrópicas, movimentos indígenas, articulações empresariais, dentre tantas iniciativas solidárias no combate à Covid, estaríamos muito piores.

Essas organizações atendem à camada mais vulnerável da população, em um país continental onde mais de 50 milhões de pessoas vivem na pobreza. Entregam doações, levam saúde e socorrem rincões distantes. Alimentam famintos, geram renda, garantem educação, protegem o meio ambiente, dão acesso à água e moradia. Mantêm viva a cultura, defendem as minorias, promovem o esporte, criam oportunidades de desenvolvimento – são inúmeras frentes de atuação, como são os problemas do Brasil.

Não cabe às organizações substituir o Estado, mas somar esforços. Os melhores resultados no combate à Covid – e, na verdade, na solução de qualquer desafio social – estão emmunicípios onde tomadores de decisão cooperam com o terceiro setor.

O conceito de parceria passa longe do governo central, que promove uma campanha sistemática de difamação contra as ONGs. Pior, estimula o negacionismo, as aglomerações e as notícias falsas. Não ouve a ciência. Jogou fora milhões de reais em medicamentos ineficazes. Não negociou vacinas quando deveria. Nunca fez isolamento de verdade, estendendo a crise. Não à toa, nos tornamos uma ameaça biológica mundial. Hoje, o Brasil está acima de tudo, como diz o slogan do Planalto, só em número diário de mortos.

Se o governo quer acabar com as ONGs, basta enfrentar as urgências com compromisso. Quando todos tiverem direitos assegurados, elas serão desnecessárias. Estamos longe disso. Em um país tão desigual e carente de políticas públicas, a sociedade civil organizada é a última linha de defesa – muitas vezes, a única. Mesmo exaustos, temos de seguir em frente. É o que nós, empreendedores sociais, estamos fazendo.

Um dia depois do outro, lutamos para aliviar os efeitos da pandemia e contribuir com um Brasil mais justo. Buscamos caminhos e parcerias para superar as crises sanitária, social e econômica. Clamamos por bom senso e ações verdadeiras. É preciso reconduzir o país à lucidez e que os (ir)responsáveis pelo descaso e pelas vidas perdidas sejam penalizados. Gritamos por apoio, por vacinas, pelo SUS. Pedimos socorro para o mundo olhar para o Brasil. Nós precisamos de ajuda para poder ajudar mais – porque somos cada vez mais necessários.

Todas as organizações da sociedade civil estão convidadas a assinar esse manifesto.

Adesão à Carta Aberta

Este formulário irá colher a adesão das organizações da sociedade civil que desejem assinar a Carta Aberta dos Empreendedores Sociais Brasileiros Para o Mundo, elaborada em abril de 2021 pela Rede Folha/Schwab de Empreendedores Socioambientais, como um pedido de ajuda global para nosso país e para nosso terceiro setor.

Para assiná-la, por favor preencha os dados abaixo. Podemos entrar em contato para checar a veracidade das informações. Também repartiremos com os signatários os resultados desse esforço, mostrando em breve a repercussão da carta na mídia nacional e internacional, por isso solicitamos um e-mail de contato.

Para contribuir ainda mais, por favor, considere dividir esse manifesto com seus contatos, enviando essa carta para outras organizações que você acredita que deveriam assiná-la.

Obrigado por sua participação. Cada nome conta. Como disse Martin Luther King, Jr.: “O que me preocupa não é grito dos maus. É o silêncio dos bons.” Sigamos atentos e fortes, sem nos calar!

ASSINAR